domingo, 5 de fevereiro de 2012

Justiça arquiva processo contra acusado de matar camponês em Rondônia


Guilherme Balza
Do UOL, em São Paulo em 03/02/2012
O juiz Gonçalves da Silva Filho, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Rondônia, arquivou o processo contra Osias Vicente, acusado de matar o líder camponês Adelino Ramos, o Dinho, em 27 de maio de 2011 no município de Vista Alegre de Abunã (RO).

O acusado foi morto no último dia 17, também em Vista Alegre do Abunã, um mês depois de ter recebido liberdade - Vicente foi preso três dias depois da morte da vítima. A decisão do arquivamento foi tomada em 2/02, após pedido do Ministério Público, em virtude da morte de Vicente.

Com a extinção do processo, acabam também as investigações da Polícia Civil para apurar a participação de mandantes no crime. Em junho do ano passado, foram detidos Jobe Vicente (irmão de Osias), Marcos Antônio Rangel, Odair Pinheiro, Zaqueu Jesus de Souza e Pedro de Jesus de Souza, suspeitos de terem participado da morte de Dinho. Dias depois, todos foram soltos.

A vítima

Adelino Ramos era um dos líderes do Movimento Camponês Corumbiara (MCC). O camponês era sobrevivente do massacre de Corumbiara, ocorrido em agosto de 1995, no qual pelo menos 12 pessoas morreram nas mãos de pistoleiros e PMs.

Ramos foi morto na frente da mulher e das duas filhas enquanto vendia verduras.  Ele denunciava ações de destruição da floresta e de invasão de terras públicas por parte dos madeireiros.

O líder camponês chegou a ser processado por sua atuação no massacre de Corumbiara, mas foi absolvido. Seu filho, Claudemir Ramos, acabou condenado, e vive há 16 anos foragido da polícia e escondido de pistoleiros (veja a entrevista abaixo).




Vídeo postado inicialmente no Canal do UOL em 06/06/11. Resolvi baixar e postar no YouTube para que mais pessoas tomem conhecimento.
“Sou o último clandestino do Brasil”. Assim Claudemir Gilberto Ramos, 38, resume como foi sua vida nos últimos 15 anos. Ele é um dos sobreviventes do massacre de Corumbiara (RO), ocorrido em 9 de agosto de 1995, e, desde então, se esconde de pistoleiros e da Justiça, perambulando país afora, sem emprego e residência fixa, ocultando sua identidade. Seu pai, Adelino Ramos, conhecido como Dinho, é um dos cinco camponeses mortos na região Norte.
Descrição do Vídeo conforme link:

Poderá conferi também em:



Notícias Similares:


http://institutonacionaladelinoramos.blogspot.com/2012/02/justica-arquiva-processo-contra-acusado.html